(011) 2227-9040


(011) 93314-2244

Otorrinolaringologia - SP » Respiração Oral e Ronco nas Crianças

Respiração Oral e Ronco nas Crianças


Respiração Oral e Ronco nas Crianças (ou hipertrofia das amigdalas e adenoides)

Esses sintomas podem ser causados por obstrução nasal, seja por rinite alérgica, infecção de vias aéreas

superiores ou até um aumento do tamanho das amígdalas e presença da adenoide (“carne esponjosa”).

Crianças que apresentam o hábito de roncar excessivamente e respirar de boca aberta por muito tempo,

deve chamar a atenção dos pais, pois surgem complicações como alterações craniofaciais e distúrbios do

sono como a síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS), que é o colapso da faringe com obstrução

total ou parcial da via aérea superior durante o sono com dessaturação da oxihemoglobina. Crianças que

ao dormir apresentam pausas respiratórias presenciadas durante pelos pais têm alteração da arquitetura do

sono e podem apresentar dificuldade de aprendizado, comportamento hiperativo e até mesmo retardo do

crescimento.

Tratamento

O tratamento pode ser feito clinicamente. Quando esse é ineficaz ou o tamanho das amígdalas e adenoide

são muito acentuados, opta-se por cirurgia (adenoamigdalectomia). Existem várias técnicas e a anestesia é

geral.

Riscos da cirurgia

Podem ocorrer sangramento e infecção da ferida operatória após a cirurgia, mas são complicações raras.

A recidiva da adenoide também não é comum e nesse caso está relacionada com os quadros alérgicos não

controlados.

O que é o desvio do septo?

O septo nasal é composto por uma porção cartilaginosa e outra mais posterior que é óssea e está situado

no meio das fossas nasais. A maioria das pessoas apresenta desvio do septo não obstrutivo e são

assintomáticas, mas algumas têm desvio septal muito importante e sentem dificuldade para respirar. A

manifestação clínica dessa condição é a obstrução nasal, que também ocorre na rinite alérgica por

hipertrofia das conchas nasais inferiores.

Tratamento

O tratamento é cirúrgico e indicado quando o desvio do septo é acentuado e a queixa de obstrução nasal

importante.

Como é feita a cirurgia

Pode ser feita por visualização direta com a rinoscopia anterior ou por via endoscópica transnasal. É

realizada a remocão da região septal com o desvio e na maioria das vezes também é feita a remoção

parcial das conchas inferiores.

Pós-operatório

O pós-operatório geralmente é tranquilo e o paciente pouco se queixa de dor. Sangramentos ocasionais

são esperados nos primeiros dias, mas ambos diminuem progressivamente durante o acompanhamento

cirúrgico.

Infecções da garganta

A infecção da garganta ocorre por agentes virais ou bacterianos. Manifesta-se clinicamente no resfriado

comum, gripe ou amigdalites. A principal manifestação clínica é a dor para deglutir e em alguns casos

pode apresentar-se com febre e dor no corpo, sendo esses sintomas mais associados aos quadros das

amigdalites bacterianas.

Tratamento

No caso do resfriado comum o tratamento é apenas sintomático. Já nas amigdalites é importante uma

avaliação médica para diferenciar a infecção viral da bacteriana e instituir adequadamente o antibiótico.

Quando é indicado a cirurgia?

A cirurgia das amígdalas (amigdalectomia) é realizada para tratamento das amigdalites de repetição

quando o paciente apresenta os critérios cirúrgicos adequados. Nesse caso, é importante uma avaliação

otorrinolaringológica.

Quem opera nunca mais terá infecções de garganta?

O intuito da amigdalectomia é cessar os episódios frequentes de amigdalites. Pacientes com esse quadro

dimunuem consideravelmente as infeções de garganta após a cirurgia. Porém, ocasionalmente poderão

apresentar faringite secundária ao resfriado ou gripe.

A remoção das amígdalas compromete o sistema imunológico?

Não. Apesar das amígdalas serem um orgão relacionado ao sistema imune, sua remoção não compromete

a resposta imune pois não possuem o papel de produzir anticorpos.

Quando é indicado a cirurgia das amígdalas?

A amigdalectomia é indicada em determinadas situações, sendo uma delas as amigdalites de repetição.

Nas crianças que apresentam respiração oral e roncos noturnos a cirurgia também é feita quando há

presença da adenoide (“carne esponjosa”) e aumento acentuado das amígdalas, pois ambas causam

obstrução da via aérea. Também é indicada em casos selecionados de adultos com síndrome da apneia

obstrutiva do sono. Outra indicação é a amigdalite caseosa, que ocorre por presença do caseum (bolinhas

brancas) alojado nas criptas das amígdalas, causando mau hálito. Nesse caso, se a halitose for uma queixa

muito importanta para o paciente, a cirurgia também pode ser indicada.

 

Voltar